Webmaster: Tarso de Oliveira Hoffmeister
Copyright © 2001. Todos os direitos reservados.
São Paulo,

SERTOLIOMA EM UM CÃO ASSOCIADO A CRIPTORQUIDIA BILATERAL E TORÇÃO TESTICULAR

 

Sertoli Cell Tumor in a dog with Bilateral Cryptorchidism and Testicular Torsion

 

Alexandre Mazzanti 1
Alceu Gaspar Raiser 2
Ney Luis Pippi 3
Adriana Lücke Stigger 4
Adrien Wilhelm Dilger Sanches 4
Alessandro de Moraes Leotte 5

1. Médico Veterinário. Doutorando em Cirurgia Experimental. Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).
mazzal@lince.hcv.ufsm.br. Rua Franklin Bittencourt Filho, 252 CEP 97105-150. Santa Maria. Rio Grande do Sul. Autor para correspondência.
2. Médico Veterinário. Professor Titular. Doutor. Departamento de Clinica de Pequenos Animais (DCPA). UFSM.
3. Médico Veterinário. Professor Adjunto. PhD. DCPA. UFSM.
4. Médicos Veterinários. Alunos do Programa de Pós-graduação em Patologia Veterinária. UFSM.
5. Médico Veterinário. Mestrando em Cirurgia Experimental. UFSM.


INTRODUÇÃO

Os principais tumores testiculares em cães são seminoma, tumor de células de Sertoli e de células intersticiais (Leydig) 9,17. A maioria tem comportamento benigno e geralmente não libera metástase 7. Na criptorquidia bilateral, o tumor das células de Sertoli é mais freqüente1, sendo que o testículo contralateral, está geralmente atrofiado4,14. Os sinais clínicos resultam da alta concentração de estrogênio, que pode ocasionar síndrome de feminilização2 e alterações dermatológicas como alopecia bilateral simétrica, hiperpigmentação e ginecomastia 5,20. A próstata pode apresentar aumento de volume devido à metaplasia escamosa do epitélio13 e obstrução do ducto prostático com estase secretória, predispondo a formação de cistos7, infecção e abscedação. Pode ocorrer depressão de medula óssea e quando não tratada precocemente, evolui para aplasia4,7,12. A lesão na medula óssea leva a distúrbios na coagulação com hemorragias petéquiais da mucosas visíveis, pele18 e excessivo sangramento no local de venopunção, em decorrência da trombocitopenia. Podem ocorrer infecções devido à leucopenia3,7. As complicações da mielotoxicose completamente desenvolvida podem ser fatais3.
A torção testicular é rara em cães e está associada à retenção testicular na cavidade abdominal6,8. Os sinais clínicos observados incluem dor, hematúria, disúria, rigidez, dor abdominal à palpação, dificuldade em andar e letargia. O diagnóstico é baseado no histórico e nos sinais clínicos. A confirmação de torção somente é possível cirurgicamente. O testículo torcido encontra-se congesto e hemorrágico15,19 e às vezes com necrose 19.
O objetivo deste trabalho, foi relatar um caso de criptorquidia bilateral em cão, diagnosticado tardiamente e suas conseqüências, e descrever a importância da estabilização hidroeletrolítica e hemodinâmica em paciente de risco anestésico-cirúrgico.

 

DESCRIÇÃO DO CASO

Um cão, Old English Shetland Sheepdog com 5 anos de idade e 18 kg, apresentou histórico de anorexia e letargia há dois dias. Ao exame clínico, observou-se desidratação em torno de 8%, mucosas pálidas, tempo de reperfusão capilar em torno de três segundos, prepúcio pendular e aumento de volume dos mamilos. Pela palpação, constatou-se ausência dos testículos na bolsa escrotal e presença de uma massa arredondada de consistência firme na cavidade abdominal. O hemograma revelou anemia não regenerativa normocítica normocrômica, granulocitopenia e trombocitopenia Na bioquímica sérica, a atividade de alanina transferase foi de 28 UI/ litro de soro e creatinina de 1,6 mg/dl (Quadro 1). A urina apresentou-se de coloração âmbar, densidade de 1020, albuminúria moderada, sangue oculto intenso, bacteriúria e cristais de fosfato triplo.

 

 

Quadro 1. Representação esquemática do hemograma e bioquímica sérica no pré-operatório em cão com sertolioma associado a criptorquidismo bilateral. Nota-se anemia arregenerativa normocítica normocrômica, granulocitopenia e trombocitopenia severa caracterizando aplasia de medula óssea decorrente do hiperestrogenismo.

 

 

 

 

Série vermelha
Pré-operatório
Hemoglobina (g%)
6,2
Hemácias (milhões/mm3)
2,4
Hematócrito (%)
18,0
VCM
75,0
CHCM
34.4
Série branca
%
/mm3
Leucócito
-
1000
Neutrófilos (NS)
0
0
Neutrófilos (S)
12
120
Eosinófilos
0
0
Monócitos
0
0
Linfócitos
88
880
Bioquímica sérica
 
Proteínas plasmática totais (g/dl)
8,0
Creatinina (mg/dl)
1,6
Plaquetas
20.000
ALT (UI/l)
28

 

 

 

NS = não segmentado; S = segmentado


Na radiografia simples do abdome, foram verificadas próstata aumentada de volume e, na região caudal do abdome, uma imagem radiopaca medindo 6 x 3cm. Devido às suspeitas clínica e radiográfica de tumoração abdominal, o animal foi submetido a laparotomia exploradora. No pré-operatório, o cão recebeu cefalotina sódica na dose de 30 mg/kg, três vezes ao dia, via intravenosa (IV), durante 24 horas. A reposição hidroeletrolítica e hemodinâmica (Figuras 1 e 2) foi efetuada, com solução de Ringer lactato (1950ml) e transfusão sangüínea (1000ml). Após a tricotomia para abordagem abdominal, constatou-se a presença de petéquias e sangramento nas escoriações produzidas pela lâmina utilizada para raspagem do pelo (Figura 3).


Figuras 1 e 2 - Fluidoterapia pré-operatória associando Ringer lactato e hemotransfusão em um cão Old English Shetland Sheepdog com criptorquidia bilateral.

Figura 3 - Aspecto da pele após tricotomia para abordagem do abdome, evidenciando áreas de sangramento e a presença de mamilos aumentados de tamanho em um cão Old English Shetland Sheepdog com criptorquidia bilateral.






Página: 1, 2