Webmaster: Tarso de Oliveira Hoffmeister
Copyright © 2001. Todos os direitos reservados.
São Paulo,

Conservação de Vacinas

Fonte: Departamento Técnico - Fort Dodge
0800.701.9987 - www.fortdodge.com.br

 

       A forma de conservação dos produtos biológicos deve ser a mais adequada possível, pois a temperatura pode tanto influir na eficácia da vacina como causar reações locais pós-vacinais.A Fort Dodge, a fim de ajudá-lo a controlar a temperatura de conservação de suas vacinas oferece algumas sugestões sobre conservação de produtos biológicos.* Temperaturas mais altas que a indicada, podem influenciar na eficácia do produto, principalmente naqueles que possuem vírus vivo modificado. Sabemos ainda que o vírus vivo mais sensível à altas temperaturas é o da cinomose. As altas temperaturas também afetam antígenos bacterianos, rompendo-os e causando liberação de endotoxinas.* Quando produtos biológicos são conservados a temperaturas mais baixas que o indicado, ou sofrem congelamento, a sua eficácia pode ser comprometida. Os antígenos mais prejudicados são aqueles provenientes de bactérias ou vírus inativados (mortos). * Os adjuvantes são afetados com o calor ou frio extremo. O hidróxido de alumínio, muito comum como adjuvante de imunidade, quando congelado, precipita em forma de flocos, ou ainda, se for conservado a uma temperatura próxima de 0 °C, pode causar reações locais (nódulo, dor e edema).* A temperatura ideal de conservação está entre 2 e 8 º C.

1- estável
2- estável por poucas horas
3- há degradação do produto
4- perda rápida da potência dependendo do antígeno viral
5- degradação severa em 1 hora
6- antígeno viral destruído em minutos e antígeno bacteriano podendo romper e liberar endotoxinas

A- A Fort Dodge não possui uma vacina com esta característica.
B- Fração liofilizada - Duramune/Galaxy/Raivac/Bronchi ShieldIII (adenov. e parainfluenza).
C- Fração coronavírus - Duramune/Galaxy e Raivac-i
D- A Fort Dodge não possui uma vacina com esta característica. A validade da vacina é muito curta, nesses casos.
E- Fração Bordetella Bronchiseptica - Bronchi Shield III
F- Fração Leptospira - Duramune/Galaxy
G- Adjuvante utilizado na maioria das vacinas inativadas - Raivac-i

Conservação:

1.Minha geladeira descongelou, perdi minhas vacinas?

      Se o congelador ainda tiver gelo é sinal que o aumento de temperatura não chegou a afetar significativamente a eficácia da vacina. De preferência, aplicar estas doses o mais rápido possível em cães adultos com um bom histórico de vacinação nas revacinações anuais. Se a temperatura tiver chegado próxima a temperatura ambiente, a eficácia do produto pode ser comprometida. Sabe-se que as vacinas inativadas como a Raivac I e a Fel-O-Vax, demoram mais para apresentarem queda de eficácia, mas as vacinas que contem o vírus vivo modificado, principalmente da cinomose, sofrem degradação mais rápida, portanto não devemos utilizá-las.

2. Minhas vacinas congelaram, posso aproveitar essas doses?

      O congelamento prejudica principalmente a eficácia da porção inativada (morta) da vacina, como por exemplo a fração líquida da Duramune, que é composta por leptospira e coronavírus mortos. Neste caso, o ideal é utilizar apenas a porção liofilizada da vacina diluída em água estéril.

3. Após quanto tempo vacina ressuspendida começa a ter sua eficácia comprometida?

      Após uma hora se conservada em geladeira ou após meia hora à temperatura ambiente.

4.Qual a temperatura ideal de conservação de uma vacina?

      A temperatura ideal é de 2 a 8 °C. Mas, mesmo a temperatura da geladeira estando dentro da margem indicada, lembrar de observar se as vacinas não estão muito próximas ao congelador, nem encostadas na parede da geladeira, a fim de evitar que elas fiquem a uma temperatura mais baixa que a ideal.